página inicialinstitucionalHistória › Nacionalização
Cronologia

Cronologia

Toda a cronologia da Refinaria de Petróleo Riograndense S.A, você acompanha em nossa linha do tempo. São fatos históricos que marcaram a trajetória da empresa, desde o ano de 1933 até chegar aos dias atuais.

1933

Investidores brasileiros e argentinos constituem em Uruguaiana - RS a Destilaria Rio-Grandense de Petróleo S/A - a primeira a operar no Brasil.


1936

Uruguaios entram na sociedade, com o projeto de montar uma pequena refinaria. Constitui-se, então, a Ipiranga S/A Cia. Brasileira de Petróleo.

1937

A Refinaria de Petróleo Ipiranga entra em operação no dia 7 de setembro, na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.

1939

A Refinaria sente os efeitos da Segunda Guerra Mundial, época em que houve falta de matéria-prima importada.

1942

Com a entrada do Brasil na Guerra aumentam o bloqueio de envio de matéria-prima, impossibilitando completamente o recebimento de petróleo bruto.

A Refinaria chega a paralisar suas atividades, realizando apenas serviços de manutenção.

1943 - 1945

Entre outras soluções adaptadas para o momento crítico de falta de matéria-prima, a Refinaria passou a fabricar, em caráter pioneiro, os solventes especiais usados na indústria da borracha, liberando o setor da dependência das importações.

1946

Com o fim da Guerra, em 1945, a Refinaria retoma suas atividades diante de um novo quadro: como conseqüência direta do conflito, alguns avanços tecnológicos foram introduzidos no setor de máquinas e motores, tornando-os mais leves e potentes. A Refinaria precisa, então, adaptar suas unidades de produção à nova realidade do mercado.

1953

Com a presença do presidente Getúlio Vargas, as novas instalações da Refinaria são inauguradas.

Neste ano, é também instituído o Monopólio Estatal do Petróleo, que limitou a produção da Refinaria a 9.300 barris/d.

1997

Um novo cenário para a atividade de petróleo no Brasil está sendo introduzido, desde agosto de 1997, através da Lei 9.478.

1998

A Refinaria de Petróleo Ipiranga recebeu da Agência Nacional do Petróleo (ANP) a titularidade para a capacidade produtiva de 12.580 barris/d, considerando o que foi definido no capítulo de refino da nova legislação que concedeu um período de cinco anos de transição para permitir a adaptação das refinarias privadas ao cenário competitivo que vem sendo instituído na atividade.

1999

A Refinaria aumentou sua produção em 30%, processando 12.200 barris/d e realizou a sua primeira importação de petróleo.

2000 - 2001

A Refinaria vem estudando alternativas de projetos para a sua Refinaria desde 1995 em conjunto com diversas empresas de consultoria internacionais e nacionais, desde a engenharia, tecnologia e mercado. Até o momento as linhas mais promissoras se dirigem para a produção de produtos combustíveis e especiais de maior valor agregado.

2002

A Refinaria amplia sua capacidade para 17.000 barris/d.

2003 - 2006

A alta do preço internacional do petróleo causou significativos prejuízos à atividade de refino. A empresa celebrou um contrato com a Petrobras para o fornecimento de petróleo necessário às suas atividades e posteriormente firmou acordo com o governo do Estado do Rio Grande do Sul por meio de credito fiscal presumido de ICMS.

2007

Em março de 2007 o controle acionário das Empresas Petróleo Ipiranga foi vendido. A Refinaria de Petróleo Ipiranga foi adquirida pelas Empresas Petrobras, Ultrapar e Braskem.

2009

A Refinaria passa a se chamar Refinaria de Petróleo Riograndense (RPR), cria uma nova identidade visual e vem produzindo derivados com normalidade.

2010

A Refinaria de Petróleo Riograndense operou em sua plena capacidade de produção e atingiu em 2010 o processamento de petróleo de 14,4 mil barris por dia, patamar nunca antes alcançado na história da Empresa. A Refinaria ampliou a sua importância no mercado de combustíveis da região a partir do reconhecimento da qualidade de seus principais produtos e da confiabilidade de entrega. Além disso, destaca-se o a elevada venda de diesel em 2010 de 442 mil m³. A participação da Refinaria de Petróleo Riograndense no mercado do Rio Grande do Sul em 2010 foi de 11% na gasolina e de 15% no diesel.

2011


O ano de 2011 foi marcado por eventos e resultados relevantes, como a certificação do Sistema de Gestão Integrada da Refinaria, que incluiu as certificações ISO 14.001 (meio ambiente), ISO 9001 (qualidade) e OSHAS 18001 (saúde e segurança); terceiro ano consecutivo de resultados econômicos positivos, mesmo com cenário de margens econômicas negativas para a atividade de refino de petróleo; recorde histórico de volume de petróleo processado no ano e do volume de entrega de derivados e a conclusão da montagem da Unidade de Solventes Leves, que transformou a Refinaria na única fabricante nacional de pentanos, importante insumo para a indústria química e petroquímica.

 

2012

A garantia da continuidade operacional da Refinaria, compromisso assumido pelos novos controladores (BRASKEM, PETROBRAS e ULTRA), esta na base estratégica da Companhia baseada no incremento da atuação no segmento de solventes e óleos especiais para a indústria; maximização das potencialidades de infraestrutura logística (armazenagem e movimentação de combustíveis e demais derivados de petróleo); persistente melhoria da confiabilidade e da eficiência operacional e rigorosa gestão de custos.

2013

A gestão da RPR está sustentada na atuação dos acionistas controladores, na competência e comprometimento da equipe de trabalho, no extenso e rico histórico de sucessos e superação de desafios da Companhia, no relacionamento com o mercado e na integração com a comunidade.  Neste contexto a Companhia consolidou sua atuação no mercado de produtos especiais (solventes, óleos de processo etc.), na prestação de serviços logísticos (recebimento, armazenagem e entrega de derivados de petróleo) e no tratamento de resíduos oleosos.

2014 - 2014

A RPR retoma as aquisições de petróleo para refino próprio.


2015 - 2015

Realizada a primeira exportação de pentanos e óleo combustível.


2016 - 2016

Recorde histórico de comercialização de derivados atingindo o volume de 990 mil m³/ano.

Ampliação do portfólio de negócios e da carteira de clientes, com a realização de operações de importação de combustíveis e a prestação de serviços de armazenamento de derivados.


2017 - 2017

No mesmo ano em que completou 80 anos as vendas de derivados em 2017 atingiram recorde histórico, alcançando 1.037 mil m³, 4,8% superior ao ano anterior, reflexo do aumento da produção, das aquisições de correntes intermediárias e produtos e do crescimento da atuação da RPR no mercado da região sul do Brasil (RS, SC e PR). Houve crescimento na participação da Companhia no mercado de derivados de petróleo do RS, passando de 12,7% em 2016 para 12,9% em 2017, destacando-se as participações de 13,3% na gasolina e 13,9% no óleo diesel.







Produtos

As vendas de derivados em 2018 atingiram recorde histórico, alcançando 1.085 m³.

Veja Mais

 

Meio Ambiente

A RPR é certificada na ISO 14001 desde 2002 e em 2011 foi certificada na ISO 9001(Qualidade) e OHSAS 18001(Saúde e Segurança).

Veja Mais

 

Comunidade

É vital que Empresas estejam inseridas em suas comunidades, gerando postos de trabalho, impostos e relacionamentos com seus públicos de interesse. A comunidade pode falar com a RPR pelos telefones: 53 3233-8000 ou 32338145.

Veja Mais